"Diz sempre o que te vai na 'alma', por alguma razão tens uma..."

domingo, 18 de março de 2012

Capitulo II



-Eles conseguiam invocar os 4 elementos: terra, fogo, água, ar. Foram as primeiras almas, humanos, guardiões, como lhes quiserem chamar, a povoar a terra por isso seria de pensar que seriam puros, mas na verdade não eram muito diferentes de nós. Cobiçaram os puderes da Deusa da sabedoria. A Deusa era o quinto elemento, o mais poderoso de todos e ninguém tinha esse poder.


-Então, para castigo dos primeiros mil humanos, a deusa separou-os. Uma cabeça para cada lado, 2 braços e 2 pernas para cada cabeça. Não lhes tirou os puderes como seria esperado, porque a deusa sabia que o que se era dado nunca deveria ser tirado. Foi ai que surgiu o conceito de espelhos que são mais ou menos como almas gémeas. Consta que a deusa gravou num espelho a frase "A quem tudo foi dado, nada deverá ser tirado, mas apenas quando completo devera ser usado" o que significa que os primeiros mil guardiões só puderam usar os seus puderes quando encontraram a sua alma gémea. 

-Claro que os guardiãs não eram imortais, mas as suas almas separadas eram, e, encarnavam, sempre unidas à distância. A deusa elegeu também o homem mais puro que conhecia e concebeu-lhe a imortalidade, para que ele pudesse guiar as almas de volta uma para a outra. 

-Assim, o mestre conseguia localizar uma das almas. A alma encontrada era o espelho, e a perdida era o reflexo. Quando o espelho atingia os 15 anos era-lhe revelado a deusa, e aí, seria-lhe revelado o seu reflexo. 

- O reflexo não pode invocar os poderes sem o seu espelho, ou seja, está dependente do seu espelho. Já o contrário não acontece. 

- A partir do momento de reencontro, espelho e reflexo deveriam treinar juntos, pois certa vez a Deusa terá afirmado "Uma vez unido o que foi separado, algo em vós ficará para sempre marcado", ou seja, as almas estão destinadas desde sempre a fazer algo que marque a humanidade ou a história, ou alguma coisa assim. 

De repente tudo caiu num silêncio estranho. 

Pelos vistos, ele tinha acabado. Pelo menos eu já não estava sobre o peso dos seus olhos, já não estava presa à sua história, pelo menos, ele já não falava para mim. Consegui de novo respirar, e quando dei por isso, o bater do meu coração seria provavelmente o som mais audível da sala. 

A sala ainda não tinha acordado daquele hipnotismo estranho para o qual Jeffrey nos tinha mandado. 

O professor Anderson simulou um pequeno tossicar para que voltasse-mos à realidade. 

-Faltou-me alguma coisa, Sr.Anderson? 

-Não, na verdade até está bastante completo! Só se esqueceu de referir que uma vez que as almas se encontrem novamente, já não voltarão a reencarnar, mas estou bastante admirado Sr.Stark. 

-Eu gosto de mitologia. - Esboçou o seu melhor sorriso de anjo para o Sr.Anderson. 

Graxista! 

-Bem...e agora que a menina Hall já sabe a parte que lhe faltava, - acompanhou as ultimas 4 palavras com umas aspas feitas no ar com os dedos - vamos continuar. 

E aí...desliguei.

3 comentários:

  1. Está Brutal,
    Estou a adorar a história :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, a sério! É muito importante para nós! :D

      Eliminar
  2. História muitooo promissora !! :D
    Estou desejosa para ver como isso vai acabar!!
    Beijinhos *

    ResponderEliminar